O desafio para a Liberdade

Não importa qual idade ou reino, não importa qual contrato social ou lei, há talvez um método em que se possa confiar sempre -- aquele em que o homem sempre pensará que sabe o que é melhor para seu vizinho.

Controlar o vizinho de alguém não é somente uma questão de poder ou escravidão. Talvez o pior tipo de controle é o da benevolência. Quando buscamos controlar a informação e a experiência em nome da proteção contra quem não conhecemos bem, estamos simplesmente nos protegendo da serpente da Árvore do Conhecimento daqueles que consideramos nus e ignorantes. Uma sociedade que dita o que podemos ler, aprender, buscar e explorar não pode ser próspera. Somente um povo livre e informado pode alcançar prosperidade, paz e proteger suas liberdades.

Através da história, os homens têm sido exploradores -- buscando superar limitações internas e externas e desafiar oceanos, montanhas e mistérios do mundo. Ainda somos exploradores.

COMO OS VASTOS OCEANOS DO MUNDO, A INTERNET NOS CONECTA

TUITE ISSO

Mas hoje podemos explorar o nosso mundo sem sair de nossas casas. Com o poder das redes globais, estamos conectados à pessoa para pessoa, uma máquina para outra, e os dados para dados. O mundo está literalmente em nossas mãos. Como os vastos oceanos do mundo, a Internet nos conecta.

Mas ainda existem aqueles que acreditam que sabem o que é melhor para o seu vizinho. Há aqueles que acreditam que a censura e controle são necessários. Eles paternalista afirmam que estão tentando nos proteger de nós mesmos ou aos outros, mas na realidade eles estão tentando proteger-se do nosso próprio exercício da liberdade. Como resultado, estamos diante de um desafio global para a liberdade. Apesar do papel penetrante da Internet no comércio, comunicação e nossas comunidades, milhões de pessoas continuam a ser restringido por governos benevolentes e corporações.

O acesso à Internet não apenas continua sendo restrito, mas estas restrições estão aumentando em várias partes do mundo. A Freedom House, uma organização de fiscalização dedicada à expansão da liberdade, divulgou no seu relatório de Liberdade na Net de 2014 que a liberdade de Internet mundial estava diminuindo pelo quarto ano seguido. As razões por esta redução incluem uma maior vigilância, leis repressivas, regulamentações sobre o uso de mídias e ataques cibernéticos. 46 dos 65 países investigados receberam a avaliação de terem uma experiência de Internet apenas "parcialmente livre" ou "não livre". Além disso, 19 dos países "passaram uma nova legislação que aumenta a vigilância ou restringe o anonimato do usuário.” 1

1 Freedom House, Freedom na Rede 2014. Copyright © 2014 Freedom House, disponível em https://freedomhouse.org/sites/default/files/resources/FOTN%202014%20Summary%20of%20Findings.pdf
A liberdade não é um luxo que podemos desfrutar finalmente quando tivermos segurança e prosperidade e iluminação; é mais um antecedente de tudo isso, pois sem ela não podemos ter nem segurança, nem prosperidade ou iluminação.
Henry Commager, Historiador Estadunidense

Os governos pedem que muitos provedores de serviços de tecnologia restrinjam o acesso a certos conteúdos. Os grandes provedores costumam prevenir que usuários acessem conteúdo ou sites considerados ilegais ou indesejáveis pelo governo, enquanto deixam o conteúdo disponível para usuários em outros países nos quais certas proibições não estejam em vigor.

2 Google, Google Transparency Report. Copyright © 2015 Google, disponível em http://www.google.com/transparencyreport/removals/government

O Relatório de Transparência da Google mostra que 63 países pediram para restringir o acesso a certos conteúdos nos primeiros seis meses de 2014. E em 2013, a Google foi solicitada a remover mais de 39,000 itens dos seus resultados de busca e outros sites. Nos Estados Unidos, os legisladores querem que mais empresas de tecnologia façam o mesmo.2

Um subcomitê do congresso aprovou as revisões do Global Online Freedom Act em Março de 2012. Baseado nestas revisões, as empresas de tecnologia que operam num grupo seleto de países restritivos deveriam publicar relatórios anuais sobre como lidam com problemas de direitos humanos. Isso seria exigido de empresas que aderem a associações que oferecem uma visão geral parecida, tais como a Global Network Initiative que protege e promove a "liberdade de expressão e privacidade nas tecnologias de informação e comunicação."

Em 2012, o Stop Online Piracy Act (SOPA) e Protect IP Act (PIPA) não conseguiram passar por causa dos protestos do público. As leis tentaram proteger os artistas e corporações de música da violação dos direitos autorais, limitando a liberdade dos Estadunidenses na Internet por meio de um controle regulatório sobre grande parte do espaço online. Mais de três anos depois das rejeições do SOPA e PIPA, havia outras leis menos conhecidas pendentes no Congresso que limitariam a liberdade dos usuários da Internet e invadir sua privacidade, permitindo certas entidades acessar dados pessoais. O Cyber Intelligence Sharing and Protection Act (CISPA) permitiria buscas e compartilhamento de dados pessoais sem garantias entre empresas privadas e o governo. O Cybersecurity Information Sharing Act (CISA) de 2015 foi apresentado ao Senado em Março de 2015. Esta lei permite que empresas monitorem as informações dos usuários, incentivando o compartilhamento com o governo. Apesar da oposição forte do público, leis deste tipo continuam sendo propostas.

CISPA PERMITIRIA BUSCAS SEM GARANTIAS E O COMPARTILHAMENTO DE DADOS PESSOAIS

TUITE ISSO

Os governos não são os únicos corpos restritivas. Empresas americanas também pode restringir o conteúdo. Muitos sites fazem isso para proteger os indivíduos de material obsceno ou difamatório, ou fazer o seu melhor para evitar os visitantes potencialmente ofensivos ou contribuintes. A maioria dos usuários de apoiar as políticas do site que proíbem o discurso de ódio ou conteúdo obsceno, apesar do fato de que grande parte do discurso proibida é protegida nos termos dos princípios da Primeira Emenda. Grupos comunitários também tentar limitar o que pode ser mostrado ou apresentado.

O acesso a pornografia na Internet continua a ser uma questão controversa. Embora visto como obsceno e ofensivo para alguns, a pornografia não é proibido nos Estados Unidos. Segundo a lei, consentindo participantes adultos podem produzir, distribuir e comprar estes materiais. A qualidade ea adequação do conteúdo on-line é subjetiva e não deve ser restrito apenas porque os indivíduos ou grupos de expressar oposição ou desconforto. Os adultos devem ter o direito de acessar o que eles querem e compartilhar o que quiser online, exceto em circunstâncias que exploram ou fazer mal aos indivíduos, particularmente as crianças, que não podem defender ou proteger adequadamente a si mesmos.

Kevin Bankston, Diretor do Open Technology Institute, disse que moderações fervorosas podem ter " resultados absurdos e censuradores". Em setembro de 2012, o Facebook removeu um cartoon de uma Eva nua no Jardim de Éden publicado pelo The New Yorker devido à políticas do Facebook de remover conteúdo relacionado à sexualidade. Em 2015, o Facebook exerceu censura familiar quando removeu a foto de uma pintura do século 19, e novamente quando censurou imagens do profeta Maomé na Turquia.

Algumas empresas protegem os interesses de seus parceiros, como foi o casso do Twitter em 2012. O Twitter suspendeu a conta de um jornalista que criticou a NBC, um parceiro do Twitter, por cobertura inadequada das Olimpíadas de Londres e então publicou o endereço de e-mail de um gerente da NBC. Inicialmente, o Twitter declarou que a publicação de um endereço de e-mail pessoal era uma violação de sua política de privacidade. Posteriormente, o conselho geral do Twitter informou que a suspensão de uma conta era um erro e que eles não monitoram ou removem conteúdos para favorecer outrem.

MODERAÇÃO FERVOROSA PODE TER RESULTADOS ABSURDOS E CENSURADORES

TUITE ISSO

Apesar de proteger o interesse de um dos seus parceiros, não foi intencional, Twitter demonstrou que é capaz e vai restringir conteúdo. YouTube é outro provedor que não é imune a sinalização automatizado. Sistema de sondagem do site bloqueado temporariamente um vídeo de Michelle Obama em discurso na Convenção Nacional Democrata, em setembro de 2012 e também tinha bloqueado NASA imagens da aterragem do rover Curiosity em Marte em Agosto de 2012.

Como legisladores, prestadores de serviços e grupos de proteção a liberdade governos e políticas que suprimem a liberdade na Internet de combate, é claro que as políticas restritivas da Internet continuará a ser um obstáculo para aqueles que buscam e advogando para uma Internet aberta.

A encriptação é o Segundo Mandamento da Internet.

Manter as informações sigilosas e apenas acessíveis àqueles que possuem acesso direto a elas se tornou uma preocupação crescente, pois o conteúdo armazenado online continua aumentando exponencialmente. Soluções de armazenamento online na "nuvem" são agora amplamente implementadas, e muitos usam a criptografia como maneira de proteger seus dados particulares. Isso levou muitos governos a questionar se deveriam controlar o direito dos cidadãos de criptografar dados ou comunicações, e se os governos deveriam ter o direito de descriptografar informações pessoais.

Em 2015, o FBI dos Estados Unidos e o Departamento de Justiça insistiram numa legislação que exigiria uma "porta dos fundos" para comunicações criptografadas. Esta porta dos fundos foi defendida em nome da segurança, mas permite que as comunicações online se tornem vulneráveis, ameaçando ao mesmo tempo a inovação e a comunidade de tecnologia como um todo.

O adendo à Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISA) a 2017 permite que o governo dos EUA para conduzir buscas sem mandado de usuários de Internet. Os governos têm argumentado que eles precisam pesquisar a Internet e descriptografar dados, a fim de identificar e capturar ladrões e terroristas apropriadamente. No entanto, este ato pode comprometer o devido processo legal, fazendo com que todos os dados on-line fiquem sujeitos à busca e apreensão sem notificar o proprietário e sem causa provável.

A CRIPTOGRAFIA É UMA FERRAMENTA NECESSÁRIA PARA A SEGURANÇA DE DADOS &E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

TUITE ISSO

As empresas apoiam mais a criptografia que os órgãos governamentais. O direito de criptografia foi reforçado por HTTPS, uma opção de protocolo seguro para navegadores na Web, sendo mais amplamente usado desde uns anos para cá por empresas que querem oferecer aos usuários uma conexão segura para seus visitantes da Web. A Electronic Frontier Foundation (EFF) e o Tor Project colaboraram no "HTTPS Everywhere," uma extensão para os navegadores browsers Mozilla Firefox e Google Chrome que criptografa as comunicações dos usuários em vários sites. Muitas empresas do Vale do Silicone e de tecnologia se juntaram em protesto contra a solicitação do FBI em 2015 de criar portas de fundo de criptografia, defendendo a criptografia como ferramenta necessária para a segurança de dados e a inovação tecnológica.

A criptografia é análogo ao Segundo Mandamento. É simplesmente o direito de se defender. E como os que defendem o direito constitucional de ter armas, precisamos sempre estar atentos. A legislação como a FISA inibe a nossa liberdade e viola a nossa privacidade. Desde mensagens de texto até o histórico de navegação e downloads online, temos o direito de nos comunicar e acessar informações em privacidade.

A Internet livre e aberta requer que as ferramentas disponibilizadas para ajudar os consumidores a proteger seus dados privados. O direito de portar as chaves de criptografia é uma política necessária, se queremos defender o direito à privacidade.

A Falsa Promessa de Neutralidade da Rede

Em 2005, a Federal Communications Commission se empenhou para manter a Internet aberta aos consumidores estabelecendo a Open Internet Order. Este conjunto de regulamentos evita que provedores de rede restringem o conteúdo que seus usuários acessam e limitem os serviços que usam. Os quatro princípios da Ordem são:

  1. Os consumidores merecem ter acesso ao conteúdo legal Internet de sua escolha.
  2. Os consumidores devem ter a possibilidade de executar aplicativos e utilizar os serviços de sua escolha.
  3. Os consumidores devem ser capazes de se conectar com sua escolha de dispositivos legais.
  4. Os consumidores merecem escolher aplicação de seus fornecedores de rede, provedores de serviços e provedores de conteúdo.

A Ordem da Internet Aberta levou à definição do conceito de neutralidade da internet, que argumenta que provedores de rede não podem inibir a informação que é transmitida por suas redes e todos os usuários devem receber acesso equânime. O FCC criou, mais tarde, duas camadas de acesso à internet: provedores por cabo e sem fio. Ambos seguem regras de transparência, bloqueio de conteúdo e discriminação indevida.

A OPEN INTERNET ORDER É UM PASSO NA DIREÇÃO CERTA, MAS HÁ MUITO A SER ABORDADO AINDA

TUITE ISSO

A discussão sobre a "Open Internet" (Internet Aberta) começou com boas intenções e, se implementada corretamente, poderia ser um passo positivo para manter a liberdade dos usuários da Internet. O problema é que, enquanto o FCC tentava proteger os consumidores e promover uma Internet aberta, a sua abordagem de neutralidade da Internet foi equivocada e inevitavelmente condenada a falhar. O "problema" não está com aqueles que fornecem a "Internet." Este setor de serviços poderia facilmente ser totalmente competitivo, se os componentes básicos de transmissão continuem disponíveis numa base de transporte comum e portanto em termos razoáveis e não discriminatórios. Se isso aconteceria, qualquer provedor de "Internet" que não aja de uma maneira de atender às expectativas do consumidor, enfrentaria logo outros provedores que oferecem o que os usuários realmente desejam. Mas no momento, a transmissão da "última milha" é apenas disponível às empresas de telefonia, e somente elas podem fornecer a "Internet." Portanto, elas podem agora monopolizar (ou duopolizar) a transmissão e o "acesso à Internet."

O segundo problema é que os conceitos de "neutralidade da rede" foram baseados em premissas que não podem ser extensíveis à "internet."

Martin Geddes explica o problema central:

“O conceito de neutralidade tem como ponto de partida um desejo razoável: acesso justo dos usuários à rede, em termos justos, e com preço justo. No entanto, de lá parte para um erro filosófico: ele antropomorfisa pacotes - como se fossem pessoas ou pacotes físicos. Isso cria uma equivalência falsa entre o que representa divisões arbitrárias de fluxos de dados. Este tratamento errôneo resulta então numa aplicação inapropriada de princípios de transportes antes comuns, a um tipo de sistema de comunicação fundamentalmente incompatível. O efeito da neutralidade da rede é fortalecer a estrutura de custos mais alta possível, e a pior qualidade possível de experiência para os usuários.” 3
Martin Geddes, Especialista em Telecomunicações

O FCC criou um falso senso de proteção e esperança para os clientes. A agência forçou políticas para proteger direitos de clientes que não estavam inicialmente sob perigo. A neutralidade da internet deveria dar mais escolhas, controle e acesso aos clientes. Pela imposição de tais regulações, contundo o FCC preveniu, sem dúvida, que serviços online e de rede fossem criados, o que beneficiaria consumidores.

Como consequência, a neutralidade da rede possivelmente desacelerou a inovação pelas companhias de tecnologia. Essa regulação não permitiu que "os provedores de acesso à internet" processem outros provedores por usar ou compartilhar seus serviços. Parcerias entre provedores de serviços poderiam ter estimulado a inovação e criado novos modelos de negócios para o crescimento dos lucros e prosperidade econômica.

Com o tempo, as regulações da Ordem da Internet Aberta (Open Internet Order) foram suavizadas, e restrições a empresas também. Contudo, enquanto os provedores de serviços continuam a desafiar as regulações e propor novas leis, esta nova legislação também é danosa.

Há uma razão pela qual os provedores de serviço lutam para alcançar uma posição dominante -- o monopólio ou o oligopólio. Eles podem simplesmente criar pedágios na autoestrada virtual que, em vez de cobrar por milha (ou gigabyte), tentam capturar aluguéis baseados no valor do conteúdo em vez do custo de provimento do serviço. Apesar de que cada megabyte ou gigabyte custe a mesma coisa, os provedores estão buscando cobrar por conteúdo e pelo valor que eles acreditam que possam obter dele.

OS PROVEDORES CONTINUAM TENDO CONTROLE DEMAIS, E OS USUÁRIOS SÃO VULNERÁVEIS

TUITE ISSO

Isso é análogo a converter uma "autoestrada" paga por contribuintes em uma estrada com pedágio. Assim como o monopólio das empresas telefônicas foi mantido por contribuintes por 100 anos, a infraestrutura ainda está sendo "mantida"por taxas pagas pelos usuários. O que era anteriormente aberto a todas os aplicativos é agora fechado para apenas aqueles aplicativos aprovados pelos provedores de acesso -- que controlam a infraestrutura por trás deles.

Em Março de 2015, o FCC dos EUA publicou sua Open Internet Order que abordou alguns destes problemas. Apesar da regulamentação não ser favorável, se não houver concorrência é preciso ter uma regulamentação mais leve. A concorrência no mercado não existe no mercado duopolizado de ISP, portanto, a Open Internet Order implementa regulamentações necessárias mas mais leves. É um passo na direção certa, mas ainda há muitos assuntos que não foram abordados. Os provedores continuam tendo controle demais, e os usuários da Internet são vulneráveis a vários tipos de barreiras contra uma Internet Aberta, inclusive “pistas rápidas” e tecnologias que bloqueiam a criptografia. Uma Internet Aberta só existirá com um mercado realmente competitivo que permite aos usuários escolher um ISP que respeita sua privacidade, oferecendo ao mesmo tempo um serviço excelente.

Impactos na privacidade

ISPs e empresas de telecomunicações têm a capacidade de armazenar tudo o que passa e para o seu computador através da Internet, e com a permissão implícita e apoio do governo dos EUA, pode realizar vigilância, monitorização e armazenar suas comunicações privadas. A surdez do Congresso, a FCC ea FTC para esta vigilância injustificada foi um catalisador para Golden Frog para se envolver e criar criptografia e soluções de armazenagem privada para o consumidor.

O Usenet foi criptografado há seis anos (Giganews.com). Agora, a Web está brotando com provedores de serviços de criptografia pagos para proteger o usuário individual da Internet. Infelizmente, preço da liberdade da Web tem um preço alto.

INFELIZMENTE, A LIBERDADE ONLINE TEM UM PREÇO ALTO

TUITE ISSO

A privacidade não é a mesma coisa que anonimato. Com a privacidade você pode escolher sua identidade. Se quer ser um cachorro, você pode fazer de conta, mas eles [ISPs e empresas de telefonia] saberão tudo que você fala enquanto pretende ser um cachorro. E quando decidem que está na hora de caçar o cachorro, eles poderão seguir seu cheiro pelo rastro que deixou com suas comunicações.

É nosso papel como sociedade governar o que nosso vizinho pode saber, aprender ou ver? Nossa benevolência pode nos trair?

Precisamos Desenvolver Ferramentas para Proteger as Pessoas

As regulamentações e leis não podem parar a tecnologia de empoderar as pessoas. Como as regulamentações do governo sobre a Internet e a privacidade oscilam, a melhor coisa que os proponentes da Internet podem fazer é continuar a criar soluções que promovem o uso pacífico e livre da Internet.

Na Golden Frog, estamos lutando por uma Internet livre e aberta, e pelo acesso justo à infraestrutura que poderia apoiar um acesso competitivo à Internet. Acreditamos que a melhor esperança para isso acontecer é permitir inovações tecnológicas para criar ferramentas e recursos para que pessoas autônomas explorem o oceano de ideias, comuniquem, procurem, encontrem e usem seu direito de livre expressão e comércio. A Golden Frog foi criada para desenvolver serviços que oferecem às pessoas a capacidade de se defenderem e se protegerem online.

NA GOLDEN FROG ESTAMOS LUTANDO PARA UMA INTERNET LIVRE E ABERTA

TUITE ISSO

Desenvolvemos os aplicativos e ferramentas que nos possibilitam promover a liberdade e manter a Internet aberta. Criada e apoiada por uma equipe experiente, a VyprVPN e Cyphr são duas soluções inovadoras que garantem aos usuários de Internet o acesso seguro e protegido de sites e arquivos, protegendo ao mesmo tempo as informações pessoas e sua privacidade. Os serviços futuros farão o mesmo.

Estas soluções permitem que os usuários continuem conectados, mantendo relacionamentos no mundo todo, independentemente da sua localização. Compatível em todos os sistemas operacionais, as ferramentas podem ser desfrutadas pela maioria dos usuários da Internet nos seus computadores e também nos seus dispositivos móveis. Na Golden Frog, controlamos nossa própria rede, possuímos todos os nossos componentes, e portanto não dependemos de sites de hospedagem terceirizados para fornecer nossos serviços. Somos proprietários do Jardim de Éden, e a Árvore de Conhecimento está aberta para todo mundo.

“A inovação é a questão principal na prosperidade econômica.”
Michael Porter
VPN Pessoal VyprVPN, feito pela Golden Frog

VyprVPN é uma rede pessoal virtual privada (VPN) que protege a privacidade de um indivíduo na Internet e impede que provedores de serviços de Internet monitorem ou controlem as comunicações e atividades on-line. A VPN permite aos usuários acessar certos sites que podem ser bloqueados em países restritivos. A VyprVPN é a tentativa da Golden Frog de proteger os internautas das grandes empresas de Internet como a Time Warner e AT&T. Mas mais do que isso, é a nossa resposta à promessa da Segunda Emenda da Internet, que é a garantia de criptografia.

Aplicativo de mensagens criptografado fácil de usar, conhecimento nulo  Cyphr, feito pela Golden Frog

Cyphr é um aplicativo de mensagens criptografadas extremamente fácil de usar. Isto significa que a Golden Frog não consegue ler, descriptografar ou compartilhar as suas mensagens. O Cyphr gera um par de chaves públicas e privadas para que apenas você e o seu amigo possam ler a sua conversa - nem nós, nem o seu provedor sem fio nem terceiros.

As ferramentas foram designadas para o usuário e para beneficiá-lo diretamente. Nós não investigamos os dados pessoais de usuários nem os compartilhamos com terceiros. Continuamos a desenvolver novos aplicativos para prosseguir com a causa e torná-la possível independentemente do que os governos e agências regulatórias decidam. Nosso compromisso com a inovação de aplicativos garantirá que a internet permaneça aberta e livre.

E acreditamos que todas as empresas deveriam fazer o mesmo. Decreto do Governo e as políticas de regulação das empresas só podem limitar o crescimento e oportunidade. A única maneira de gerenciar o conteúdo potencialmente perigoso ou inapropriado é permitir que os usuários se auto-regular e adotar soluções inovadoras para garantir a sua própria proteção.

A humanidade é como um oceano

Ela cobre 140 milhões de milhas quadradas e quase 75 por cento da superfície da terra. Ela nos conecta, pessoalmente, por vários idiomas e culturas. Ela sustenta a vida e apoia a vida.

Nosso clima e a qualidade do ar que respiramos depende dele. Através da história, ele teve um papel preponderante no comércio, na exploração e na descoberta.

É o oceano.

Assim como o oceano, a internet nos conecta apesar das línguas e culturas diferentes. A internet se tornou a fundação do comércio, da exploração e da descoberta. E, assim como o oceano, existe perigo e poluição.

Mas apesar destes problemas, entendemos que o oceano, com todas as suas maravilhas, é bom. Aquela única gota de água suja não destrói o que liga e conecta os continentes. E o mesmo vale para a Internet.

“Você não pode perder a fé na humanidade. A humanidade é um oceano; se algumas gotas do oceano são imundas, o oceano não fica sujo.”
Mahatma Gandhi

Há muito tempo, os oceanos foram sujeitos à doutrina da liberdade dos mares -- um princípio apresentado no século XVII que, em essência, limitava os direitos nacionais e sua jurisdição sobre os oceanos a um cinto estreito de mar ao longo da costa de uma nação. O restante dos mares não pertenceria a ninguém.

Assim como o oceano, a internet conecta pessoas. É um mar de ideias, comércio, conexões, relações e consciência. A internet facilita a comunicação, transações, inovação, identidades, entretenimento, crescimento educacional e iluminação.

Assim como o oceano, a internet deve permanecer livre e gratuita. A humanidade é como um oceano. Limitar a internet é limitar a humanidade e a sua promessa para o futuro.

Muitas pessoas e grupos desafiam nossa liberdade online pelo controle do conteúdo em sites ou pelo limite total ao acesso. Tais restrições não encorajam a liberdade nem habilitam nossa sociedade global a florescer. Se as razões para restringir o acesso online são preventivas ou uma reação a críticas, uma internet aberta não pode continuar se empresas e indivíduos continuam a inibir o acesso e a limitar o compartilhamento de informações.

Enquanto a regulação da transmissão base é necessária à competição, os provedores de acesso à internet devem ter permissão para cobrar pelo acesso e oferecer serviços em um mercado livre. Os consumidores têm escolhas em um mercado livre e têm o direito de usar ou declinar de serviços e aplicativos. A internet é e deve continuar sendo um mercado de ideias e informação livre, e deve estar disponível para todos que queiram usá-la de qualquer lugar do mundo. Como uma legislação que poderia potencialmente ameaçar nossa liberdade pode ser aprovada no congresso, precisamos nos manter informados e propor ativamente uma internet aberta e livre.

COMO O OCEANO, A INTERNET PRECISA CONTINUAR ABERTA E LIVRE

TUITE ISSO

Inovação ajuda o crescimento econômico da unidade e ajuda a manter a Internet livre e aberta, que não tem fronteiras ou limitações. As soluções adequadas e eficazes estão disponíveis e mais serão desenvolvidas.

Netizens (Cidadãos da internet) do mundo devem se proteger com ferramentas de proteção da informação e identidade online. Um compromisso global por uma internet livre nos ajudará a estimular a prosperidade global e promover a paz.

Pedimos que você se una a um movimento crescente de pessoas comprometidas com uma causa -- defender, promover e garantir que a internet permaneça aberta e livre.

Esta causa não representa apenas uma luta para garantir e expressão livre, é uma estratégia para o comércio global, o entendimento internacional e, por fim, para a paz e prosperidade.

Sobre o autor

Ron Yokubaitis é o Co-Fundador e Co-CEO da Golden Frog

Um texano nativa e 40 + anos residente de Austin, Texas, Ron ocupou uma paixão por eletrônica e comunicações de primeira alimentados através da obtenção de uma licença de rádio amador mais de 40 anos atrás. Enquanto que fez o mundo menor para ele, foi sua descoberta da Internet que realmente abriu os olhos para as possibilidades. Ele primeiro tomou conhecimento da Internet, em 1976, do livro de Steward Brand, " Cibernética Fronteiras II " e tentou fazer logon pela primeira vez em 1984 em uma Conferência de Inteligência Artificial da Universidade do Texas, em Austin, TX, mas foi recusado o acesso.

Em 1994, Ron reconheceu a falta de opções de acesso à Internet para a " sem lavar ", os que não eram um estudante ou funcionário do governo. Em resposta, ele e sua esposa, Carolyn Yokubaitis, co-fundou Texas.net-um dos 50 primeiros ISPs nos Estados Unidos. Focada na prestação de serviços de Internet dedicados a privacidade do cliente e segurança, Ron e os investimentos de Carolyn em empresas de Internet têm crescido e ampliado em várias empresas, incluindo Giganews , provedor de Usenet líder mundial com usuários em 215 + países, e dados Foundry , um fornecedor global de centro de dados colocation, serviços e serviços de recuperação de desastres gerenciado.

Golden Frog é o último empreendimento estabelecido por Ron e Carolyn e está comprometido em desenvolver aplicativos e serviços que preservam uma experiência de Internet aberta e segura enquanto respeita a privacidade do usuário. Os dois produtos daGolden Frog, VyprVPN e Cyphr, atualmente possuem clientes em mais de 213 países. A Golden Frog é a dona e opera sua própria infraestrutura global com clusters privados de servidores emAmérica do Norte, América do Sul, Europa, Ásia, África e Oceania.

Antes de fundar a Texas.net, Ron praticava direito em Houston e Austin Texas, depois de servir no Corpo de Paz com Carolyn no Rio de Janeiro, Brasil ('68-70). Ron possui o Bacharel em Ciências e Doutorado em Direito na University of Houston, onde ele trabalhou na Revisão de Leis. Ron fala fluentemente espanhol e português, mora com Carolyn em Austin e tem cinco filhos.